sexta-feira, agosto 08, 2008

Nossa Senhora do Carmo

Foi de comum acordo pelos moradores do Bairro de S. Genês, a realização de dois em dois anos de uma Festa, unicamente religiosa, em honra da Nossa Senhora do Carmo, .
No dia 4 de Junho de 2000, realizou-se a primeira Festa, um primeiro evento que fez engalanar em festividade o típico bairro de S.Genês. Teve como momento mais alto, a bonita procissão, que percorreu as ruas da vila, sendo o andor da N. S. do Carmo transportado pelos elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR).
Esta Festa foi levada a efeito, numa organização conjunta com os moradores do Bairro das Penedas, que consideram-se como um anexo do Bairro de S.Genês.
Ficará ainda como registo, o facto, de o "velho" Terreiro da Lição, ter sido pela primeira vez cenário de um concerto de música, que a Banda de Loriga ali efectuou nesse dia.

 

Capela


A Capela de Nossa Senhora do Carmo é de espaço único. As fachadas são rebocadas e pintadas de branco, com cunhais assinalados a granito e rematados por elementos piramidais (?). A fachada principal termina em cruz latina e é rasgada por um portal em arco de volta perfeita moldurado, ladeado duas janelas em arco abatido. É encimado por uma janela e por um nicho que alberga um sino.

O interior cokm paredes pintadas e rebocadas de branco é percorrido por lambril de azulejos monocromos, de padrão industrial.

 1 Bem mesmo no centro do Bairro de São Genês, quase que passando despercebida a capela dedicada à Nossa Senhora do Carmo, muito bem guardada e protegida pelos moradores desse lugar pitoresco de Loriga, continua a manter a firme postura de capela de bairro, sendo bem patente o orgulho que os moradores locais têm na sua capela.

Vem de longe a existência da capela naquele local, sendo desconhecida a data certa da sua construção. Sabe-se que em 1758 já estava construída pois pelos poucos escritos existentes dessa época, já se fazia referência à dita capela, não como titulada ao nome actual, mas sim titulada a San Gens, pensando-se até, que resistiu ao grande terramoto de 1755, que nesse ano assolou o nosso país e arrasou quase totalmente Lisboa.

É certo, que dificilmente se poderá saber a razão e a iniciativa da edificação de uma ermida naquele local. Sabe-se, no entanto, que a capela actual não é a primitiva uma vez que, por estar em vias de ruir, seria reconstruída. Mesmo assim, durante alguns anos, esteve só com paredes e telhado e, só depois de ser feito o altar, foi restituída ao culto em 1938.

Para quem não saiba, muito boa gente poderá ser induzida no erro de que, a data de 1909, inscrita na fachada por cima da porta, corresponde à data da existência da capela naquele local. Na verdade não é assim, pois, na realidade, a data corresponde a uma de algumas reconstruções que esta capela foi tendo ao longo da sua existência. Supõe-se que a capela primitiva tenha ali sido construída por volta de 1700, início do século de 1700.

Nos mesmos escritos que acima citamos, era referenciada a não existência de habitações naquele local quando a ermida foi construída, estando escrito que ela se situava ao "lado da vila". Por conseguinte, o povoado de Loriga ainda ali não chegava, sabendo-se que, durante muitos séculos, o povo português, muito religioso e crente construía as ermidas normalmente em locais fora dos povoados. Do que parece não restar dúvidas, é que a capela foi ali edificada em honra de São Genês e, por isso mesmo, aquele local passou a ser chamado precisamente por esse mesmo nome, topónimo que ainda hoje se mantém.

Apesar da capela não ser cenário de grandes festas em honra da sua Virgem, como decerto acontece com outras festas religiosas que se realizam em Loriga, não é por isso menosprezada. Se recuarmos a tempos distantes veremos que esta capela foi fundamental e de grande utilidade em situações infelizmente trágicas acontecidas nesta localidade.

No século passado, mais precisamente em 1881, quando por motivo de um novo tremor de terra que se fez sentir na região da Beira, a igreja matriz viria a ruir, esta capela foi utilizada na realização de alguns actos religiosos. Já no século XX, quando da grave epidemia que aconteceu em Loriga no ano de 1927, na capela da Senhora do Carmo, foi improvisado um balneário, sendo dotada com banheiras e água canalizada. Nesta altura, a capela estava praticamente desactivada religiosamente, pois apenas tinha as paredes e o telhado e, essa adaptação em balneário, foi importante na luta dessa epidemia.

A capela de Nossa Senhora do Carmo é, presentemente, digna de uma visita devendo, em minha opinião, fazer parte do roteiro dos visitantes de Loriga, que decerto não deixarão de admirar, na amplitude do altar em madeira ornamentada, a beleza da imagem da Virgem, bem como outras imagens antigas e de muito valor, onde não poderia faltar o São Genês, precisamente o patrono deste Bairro. É uma capela que, apesar de antiga, respira modernidade, graças aos cuidados que os moradores do Bairro de S. Genês lhe dedicam.

in: www.loriga.de (Site AdelinoMMPina)

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário